segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Saúde Pública no Brasil e nos países desenvolvidos

O tema da Campanha da Fraternidade 2012 é “Fraternidade e Saúde” com o lema “Que a saúde se difunda sobre a terra.”


De acordo com a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), a Igreja decidiu trabalhar o tema saúde pública com o objetivo de fazer com que o povo e as autoridades competentes reflitam sobre os desafios que o país possui neste setor.

A falta de hospitais, de médicos e o grande número de enfermos que não encontram atendimento nos hospitais públicos são questões prioritárias da campanha.

 Um fato a se lamentar, foi o corte do orçamento da União que atingiu diretamente o Ministério da Saúde. Conforme divulgado pelo Ministério do Planejamento, os recursos aprovados pelo Congresso Nacional caíram de R$ 77,58 bilhões para R$ 72,11 bilhões em relação ao ano passado.

A campanha visa também promover a iniciativa popular para solucionar o problema, não deixando a responsabilidade para as autoridades, incentivando cada pessoa a contribuir para solucionar os problemas.

Sistema de Saúde nos outros países

Os Estados Unidos não têm um sistema público de cobertura universal na área da saúde.


Há alguns programas financiados pelo governo, como o Medicare, destinado à pessoas com mais de 65 anos, ou o Medicaid, para pessoas de baixa renda.

Veteranos das forças armadas também estão cobertos por um programa do governo, assim como crianças de famílias pobres que não se enquadram nas exigências do Medicaid.

A maioria dos americanos, porém, precisa adquirir seu próprio plano de saúde, seja por meio de seus empregadores ou por conta própria.

Sistema de Saúde no Japão

Todas as pessoas que residem no Japão devem, obrigatoriamente, inscrever-se em um dos Seguros Públicos de Saúde. Estes sistemas baseiam-se no princípio de cooperação mútua, em que todos os segurados contribuem regularmente com taxas,  utilizando o Seguro de Saúde quando necessário.

Há 2 tipos de Seguro Público de Saúde: O Seguro Social, intermediado pelas empresas, e o Seguro Nacional de Saúde, administrado pelos municípios.

A taxa de Seguro Nacional de Saúde é calculada anualmente, baseando-se na renda líquida do segurado e no número de dependentes.

Na ocasião em que o segurado necessitar dos serviços de saúde, ele arca com 30% das despesas médico-odontológicas. O Seguro Nacional de Saúde banca o restante.

Sistema de Saúde na Inglaterra

Hospital do NHS

NHS (National Health Service) é o sistema de saúde público na Inglaterra, o equivalente ao SUS do Brasil. Atende a 1 milhão de pacientes a cada 36 horas e é  considerado a maior estrutura de saúde pública do mundo.

Devido ao seu tamanho gigantesco e complexidade, a qualidade dos serviços prestados poderá variar dependendo da região onde se mora. Como todo sistema público, o NHS também é alvo de críticas, mas as pesquisas mostram que a maioria da população inglesa se diz satisfeitas com o atendimento recebido.

São apenas exemplos de 3 países, onde a saúde é levada a sério, com grandes e constantes investimentos em equipamentos e capacitação pessoal.

Mesmo não sendo modelo de Sistema de Saúde, ele funciona nesses países, onde ninguém fica sem atendimento, e qualquer pessoa, incluindo aí imigrantes em situação irregular, tem direito ao atendimento de emergência gratuito caso sofram um acidente ou estejam passando mal.

2 comentários:

  1. No Japão o sistema de saúde funciona sim, mas para quem tem um dos seguros-saúde. Já tive, no início do Japão em situação que não tinha hoken e conheço algumas pessoas, inclusive nihondin que naõ tem. Um deles , nesse caso, um argentino teve um problema de saúde grave ficou internado e graças a ajuda do Padre Higa conseguiu acordo com o hospital para pagar a internação depois e as despesas em prestações.

    ResponderExcluir
  2. Daniel, obrigado pelo comentário. Realmente há alguns anos atrás as empresas dificilmente ofereciam o seguro saúde para os trabalhadores brasileiros, mas a história está mudando, a fiscalização está mais rigida obrigando os empregadores a incluir os funcionários no seguro saúde, mas ainda tem o outro lado, dos brasileiros que não querem o hoken. é preciso refletir melhor sobre a questão.

    ResponderExcluir