terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Qual o destino dos entulhos de construção


Alguém sabe qual o destino dos entulhos (resíduos de construção)? Para onde os caminhões levam as caçambas de entulho?

Em algumas cidades, os caminhões levam  o material para ser depositado nos aterros sanitários. Mas algumas empresas de coleta, visando economizar tempo e combustível, acabam jogando os entulhos em terrenos isolados, os chamados aterros clandestinos, formando em pouco tempo, verdadeiras montanhas de entulho. Ao serem descobertos, simplesmente procuram outro local para continuar depositando o material.

Entulho jogado a beira de estrada vicinal

A cidade de Guarulhos-SP tomou uma grande iniciativa ao criar o Ponto de Entrega Voluntária de Entulho (PEV), que recebe pequenas quantidades de entulho. A quantidade de material de cada descarte não pode ultrapassar a um metro cúbico, equivalente a cerca de cinco carrinhos de mão.

Recicladora de entulho

Os resíduos recolhidos no PEV são encaminhados a uma recicladora de entulhos da própria Prefeitura, onde são recebidos também entulhos em maior quantidade, provenientes de construções de maior porte.

Os entulhos que chegam à recicladora, primeiramente passam por uma etapa de triagem onde são separados os materiais que não podem ser reciclados, e posteriormente, o material é depositado em esteiras rolantes, chegando até o britador, que é uma grande trituradora onde é feito todo o processo de reciclagem propriamente dito.

Tijolos e telhas cerâmicas, reboco de paredes serão transformados em terra e areia para construção. Concreto e blocos de cimento serão transformados em blocos, guias de calçada e brita para pavimentação de ruas.

Segundo os engenheiros da Prefeitura, o material reciclado é de excelente qualidade, e no caso dos blocos produzidos, a qualidade pode ser superior aos encontrados no mercado devido à alta concentração de cimento. Estima-se que cerca de 10m³ de entulho são suficientes para a fabricação de blocos para a construção de uma casa popular de 60m²

O principal objetivo do PEV é sem dúvida, acabar com o despejo irregular de entulhos em  locais indevidos, causando um grande problema ambiental. A iniciativa também está gerando emprego e renda aos catadores de entulho, bem como contribuir para a prevenção de enchentes, uma vez que os córregos e as bocas-de-lobo são geralmente, o destino final desse tipo de material.

O Brasil ainda encontra-se num patamar muito abaixo dos outros países em relação à reciclagem de entulhos. Países como: Estados Unidos, Japão, Alemanha, Itália e Inglaterra, têm essa prática consolidada e contam com diversas usinas de reciclagem em todo o país.
No Japão, por exemplo, o desperdício de materiais durante uma reforma ou construção é mínimo, graças aos modelos de construção adotados e aos materiais de tamanho diferenciados, como: blocos, tijolo, telhas e peças de madeira, onde as peças têm um encaixe perfeito, evitando o corte, e consequentemente minimizando o desperdício de materiais.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Microcréditos amenizam a condição de pobreza em Bangladesh


Bangladesh é um país asiático circundado quase que totalmente pela Índia. É caracterizado pela grande densidade demográfica, com uma população de 130 milhões de habitantes, uma renda per capita de cerca de US$ 300 e com 62% da população analfabeta, fatores esses que tornam o país conviver em estado de extrema pobreza. Na maioria dos países subdesenvolvidos as mulheres são tratadas com inferioridade devido ao sistema patriarcal, e em Bangladesh as mulheres enfrentam grandes dificuldades.

Existem dois inimigos para as mulheres em Bangladesh. Eles são a pobreza e a sociedade patriarcal. Em meio à pobreza, as mulheres sempre estiveram em posição inferior. Por exemplo, não há diferença entre os níveis de matrículas de meninos e meninas na fase de iniciação do aprendizado, mas o índice de desistências das meninas é bem maior. Isto acontece porque muitos pais acreditam que se a família estiver passando por dificuldades financeiras, não há a necessidade de mandar as filhas à escola. E na sociedade patriarcal, toda vez que as mulheres tentam avançar, enfrentam obstáculos impostos pela comunidade.

mulheres trabalhando em Bangladesh


Para o desenvolvimento econômico das mulheres um esforço que está sendo feito é o microcrédito, que são empréstimos de valor muito baixo oferecido a desempregados, pequenos empresários e outras pessoas vivendo na pobreza, com foco nas mulheres e utilizando um sistema revolucionário de garantias morais mutuas, formando grupos de cinco pessoas que ficam moralmente responsáveis umas pelas outras. Antes do microcrédito, essas pessoas eram excluídas, pois sua condição impede o acesso a bancos e aos meios tradicionais de financiamento, por não possuírem bens que possam oferecer em garantia ou histórico de créditos. A experiência no país tornou-se um exemplo de sucesso.

O economista, Muhammad Yunus foi o idealizador e realizador do microcrédito, experiência na qual visa amenizar os efeitos da pobreza no seu país. Inicialmente ele concedia empréstimos de pequena quantia com recursos próprios,e posteriormente com e sucesso das operações, pois recebia de volta  98,85% dos empréstimos concedidos, fundou o Grameen Bank, onde poderia expandir as operações. Graças a essa iniciativa, Yunus foi laureado em 2006 com o prêmio Nobel da Paz.

Muhammad Yunus

Yunus afirma que é impossível ter paz vivendo na pobreza, e acredita que todo ser humano possui instintos de sobrevivência e auto-preservação, uma prova disto são os milhões de pobres que existem no mundo, onde mesmo miseráveis, conseguem contornar ao máximo sua situação. Sendo assim, a forma mais efetiva de ajudar estas pessoas é incentivar o que elas já têm. Seu instinto. Quando confere recursos para estas pessoas, por pouco que seja, consegue melhorar sua condição de vida utilizando-se do seu já senso de sobrevivência.

O microcrédito também criou empresárias no setor de produção de vestuário e acessórios. Muitos destes produtos são vendidos em lojas operadas por Organizações Não Governamentais. Contudo cerca de um ano atrás, num projeto patrocinado pelo governo, um espaço foi inaugurado na capital Daca para permitir que os produtores vendam seus artigos diretamente ao consumidor. Isto elimina os atravessadores e as mulheres podem assim obter mais lucros.

Comparando com o passado, a conscientização entre os homens a respeito dos problemas das mulheres aumentou, mas muitas pessoas em Bangladesh continuam incapazes de abandonar sua mentalidade de sociedade patriarcal.

Além disso, na sociedade atual, novos problemas aparecem de forma contínua. Por exemplo, a discriminação contra as mulheres está aumentando entre a geração mais jovem. Este problema já é antigo mas a tendência está aumentando nos últimos anos.

Para acabar com a discriminação e a violência contra as mulheres é necessário iniciar a educação para a igualdade de gênero desde o nível do ensino primário. Atualmente o governo considera a possibilidade de introduzir tais estudos em livros escolares.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Lojas de conveniência planejam abrir no Brasil e sudeste asiático


Para quem já esteve no Japão sabe da comodidade que é uma loja de conveniência. Espalhadas por todos os pontos da cidade, desde as mais remotas regiões até os grandes centros empresariais da capital Tokyo, as lojas de conveniência fazem parte do cotidiano da população. A qualquer hora do dia ou da noite, é possível encontrar praticamente tudo o que se precisa, comida, bebidas, material de higiene, jornais, revistas e também serve como ponto de encontro, onde jovens se reúnem nos estacionamentos das lojas para conversar e tomar um lanche.


Com o mercado interno do Japão diminuindo devido a uma taxa de natalidade decrescente e o envelhecimento da população, as redes de lojas de conveniência estão buscando expansão  no exterior.

A rede Circle K Sunkus deve criar uma joint venture com uma empresa local da Malásia e está planejando abrir sua primeira loja na capital, Kuala Lumpur, no outono do próximo ano.


Esta será a primeira investida da rede no exterior e que procura abrir também cerca de 300 lojas no Brasil no prazo de quatro anos, segundo a rede de televisão NHK.


As operadoras de lojas de conveniência japonesas estão abrindo novos mercados, onde se espera o crescimento econômico e devem impulsionar o consumo.

A Family Mart decidiu operar nas Filipinas e já tem lojas na Indonésia e em dois outros países do Sudeste Asiático. A empresa planeja abrir sua primeira loja nas Filipinas em fevereiro e quer expandir a rede para 300 lojas em cinco anos.


A rede Lawson, que também opera na Indonésia, formou uma aliança com uma empresa tailandesa e está operando com cerca de 600 lojas, e pretende convertê-los em lojas Lawson partir do próximo ano.

O Seven Eleven, que entrou nos dois países à frente do Lawson, está ampliando o número de pontos de venda.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O problema do lixo em Ferraz de Vasconcelos


O ano de 2013 começou mal para os moradores da cidade de Ferraz de Vasconcelos na região metropolitana de São Paulo, que estão convivendo com uma crise na coleta de lixo.


Nos últimos dias do ano, a coleta de lixo foi interrompida causando sérios transtornos à população. A prefeitura, responsável pelos serviços, alega que dos veículos disponíveis, apenas dois estavam em condições de uso e os demais aguardavam por manutenção.

As comemorações de Natal e ano novo, onde normalmente se produz muito mais lixo, agravou ainda mais o problema.



Em qualquer ponto da cidade, o que se via era uma única cena, sacos de lixo espalhados nas calçadas, causando um mau cheiro insuportável, e para piorar a situação, as fortes pancadas de chuvas no final das tardes, espalhavam os sacos de lixo pela rua, atrapalhando o trânsito e obstruindo os bueiros, provocando alagamentos.

O prefeito Acir Filló participa da coleta de lixo


Após a posse do novo prefeito, Acir Filló, sua primeira atitude foi arregaçar as mangas, reunir secretários e foi para rua ajudar na coleta do lixo. Essa atitude chamou a atenção de várias pessoas, alguns consideravam demagogia e outros sensibilizados com a situação entraram também no mutirão que contou também com a adesão de empresários da cidade que cederam caminhões para ajudar na coleta do lixo. O trabalho será árduo, mas a previsão é que dentro de 15 dias a situação irá se normalizar.