terça-feira, 1 de setembro de 2015

Parabéns Mogi das Cruzes, 455 anos


Mogi das Cruzes está completando 455 anos, e é uma das cidades mais antigas do Brasil.
Até bem pouco tempo, a cidade conservava os ares de cidade interiorana e preservava seu patrimônio histórico, conservando alguns dos prédios que mantinham sua arquitetura originalmente da época colonial. Mas com o crescimento desordenado, vários empreendimentos imobiliários foram construídos, o aumento populacional foi se acelerando rapidamente, fazendo com que o centro da cidade não mais comportasse o grande fluxo de veículos e pessoas. A solução foi fazer algumas intervenções, como alargamento de algumas ruas, e consequentemente, ocasionando a desapropriação de alguns imóveis entre eles, alguns representativos na história da cidade. Infelizmente é o preço da modernidade, conseguimos até um determinado momento, conviver entre o histórico e o moderno, mas chega uma hora em que não da mais para se manter os dois espaços juntos.

Finalmente deram inicio às obras de construção da passagem subterrânea em frente à estação da CPTM. A obra, um sonho antigo de toda população, vai permitir que a passagem de nível seja desativada, acabando com os intermináveis congestionamentos nos horários de pico.

Mas toda ação tem uma conseqüência: e já percebemos o que está acontecendo. Nesse inicio das obras, muitos motoristas ainda não se readequaram a nova situação, fazendo com que o trânsito que já era difícil, tornando-se ainda pior. A situação ainda vai perdurar por muito tempo, uma obra vultosa dessas, demanda muito tempo, então temos que nos preparar e procurar outras alternativas, buscando vias alternativas, evitando o uso do carro nas áreas centrais, deixando o carro estacionado um pouco mais longe da área central. Senão forem tomadas essas atitudes, o stress será inevitável.

Apesar desses grandes investimentos, ainda há muito a ser feito, principalmente nos bairros mais afastados, onde a falta de infraestrutura é latente. Só para citar exemplos, bairros como Jundiapeba e Botujuru ainda convivem com ruas sem pavimentação, sem rede de esgoto, alto índice de criminalidade, transporte público ineficiente que não consegue atender a demanda nos horários de pico, pois é justamente nesses locais onde há precariedade nos serviços públicos, é onde a população de baixa renda se concentra.

Rua do Bairro de Jundiapeba
Aqui em Mogi como em qualquer outra cidade brasileira, a desigualdade social é muito grande. Minha esperança é que a próxima administração volte os olhos para essa desigualdade, buscando uma atuação bem mais efetiva na periferia, proporcionando condições dignas de moradia e serviços públicos eficientes, para que daqui a alguns anos, estejamos aqui comemorando mais um aniversário de Mogi das Cruzes, com muito entusiasmo, com as obras de modernização do centro finalmente concluídas, e que a população esteja plenamente satisfeita e animadora em busca do progresso da cidade.

Um comentário: